Criatório

A trajetória iniciou-se em 2006 pelo interesse do empresário da área de TI, Antonio Augusto, na raça Mangalarga Marchador. Através do seu amigo, criador de Cavalos Mangalarga Marchador, Juventino Gomes de Miranda Filho, proprietário do Haras Marrakesch em Paraopeba-MG, decidiu conhecer mais sobre a historia dessa raça e partiu para uma viagem à cidade de Cruzília no sul de Minas, berço da raça do verdadeiro cavalo de sela do Brasil. Na oportunidade resolveu adquirir algumas coberturas do garanhão OÁSIS JB, filho de Beijo JB e Espoleta JB (linhagem que faz parte da origem do Cavalo Mangalarga Marchador no Brasil), de propriedade da Fazenda Centenária Campo Lindo, tradicional criatório JB.

Em seguida propôs parceria ao amigo Juventino que concordou em ceder 10 éguas de seu plantel em troca de 50% dos produtos que nascessem deste cruzamento. Um sorteio foi realizado para definir as éguas e o destino quis que as suas 5 éguas sorteadas parissem fêmeas. Influenciado pelo Juventino que avaliou como muito boa a produção do cavalo, decidiu adquirir em sociedade com o mesmo 50% do garanhâo OÁSIS JB que a partir de então passou a servir tanto ao Haras Marrakesch quanto à Antonio Augusto em novos cruzamentos com éguas doadoras de embrião.